domingo, 21 de dezembro de 2008

Carta ao Pai Natal

Querido Pai Natal!

Chamo-me Joost e tenho 11 anos, vivo numa cidade chamada Nhacra perto da Guiné Bissau. Não sei escrever muito bem porque como em todo o meu continente (Africano) nós crianças desde muito pequenas temos que trabalhar para ajudar a nossa família e perdemos o direito a ir a escola como as outras crianças do mundo inteiro.

Ontem fiz anos e um grupo de missionário deram-me um papel e uma caneta, foi a primeira vez que recebi uma prenda, fiquei tão feliz. Um deles perguntou-me: Então Joost que vais fazer com esse papel e com essa caneta? Um desenho? ou vais guardar para daqui a uns tempos escreveres uma carta a uma namorada? e, eu respondi: Não. Vou escrever uma carta ao Pai Natal.

Pois, aqui estou eu perdido nas linhas e nos enganos da minha escrita, a escrever-te a ti Pai Natal.

Imagino-te como um super herói, estou enganado? Não te vejo barrigudo, de fato vermelho e com uma longa barba branca. Aqui, enquanto todos os dias trabalho e sou alvo de alguma escravidão consigo pensar e imaginar como serias. E até mesmo no que te pediria e como agora tenho oportunidade de te encontrar através das palavras vou-te pedir um coisa (não como um homem que anda de casa em casa com um saco gigante, vermelho e cheio de presentes mas, sim como eu te imagino, um super herói). Não te quero pedir um carro dos bombeiros ou uma coisa daquelas que eu vejo a preto e branco na televisão do meu "chefe" aquilo que agora todos jogam, só te quero pedir uma única coisa quando na noite de natal saíres do teu castelo e te passeares pelo mundo (por favor) espalha a magia, a solidariedade e o amor entre os Homens, nós aqui não aguentamos com tantas guerras e tanta exploração. Só queremos ser crianças.

Não te quero pedir mais nada Pai Natal. Espero que um dia possa ter o prazer de te conhecer e que nesse dia o mundo em que eu vivo e tu assistes na televisão do Pólo Norte, seja um mundo melhor.

Um abraço do Joost.

3 comentários:

jose... disse...

Pena que nem toda a gente pense como tu,pena que nem todos consigam ajudar,pena que existam essas pessoas nessas condicoes...pena que nao existam mais pessoas como tu.oque faz de ti uma pessoa rica, nao em questoes monetarias mas sim em questoes como pessoa..orgulho me bastante de ter te como amiga,lamento que esta relacao de amizade seja á distancia..
obrigado por teres me aberto os olhos para aquilo que realmente erealidade..
=D
beijinho

Inês Costa disse...

oh meu querido amigo ze'. pois e' a nossa amizade longinqua mas, espero que ainda perdure por muito e muito anos.
não sou mais nem menos que ninguem, escrevo o que sinto so isso :D

beijinhoo grande

Catarina Laíns disse...

Inês tenho tanto mas tanto orgulho em ti,
Sabes bem que te amo mas neste artigo fizeste com que te ama-se mais, porque tu preocupas-te com tanta coisa e estás disposta a ajudar sempre os outros.

Obrigado por tudo.
Beijão